Fotografia: Carsten Peter. Ilustração: Samantha Welker

 

Quase vinte anos após o início da erupção do vulcão Soufrière Hills, que tornou grande parte da ilha de Montserrat inabitável e forçou o exílio de dois terços da população, as mesmas forças geológicas poderão ser usadas para fornecer energia geotérmica fiável e renovável. À semelhança do que se verifica no resto das Caraíbas, este território britânico funciona graças a dispendiosas importações de petróleo e gás. Mas não tem de ser assim: a actividade vulcânica e tectónica eleva o magma até distâncias suficientemente próximas da superfície para permitir a instalação de poços geotérmicos sobre os reservatórios aquecidos. No entanto, um só poço pode custar vários milhões de euros. No ano passado, o investigador Graham Ryan, da Universidade de Auckland e uma equipa internacional de cientistas e engenheiros fizeram sondagens em dois locais promissores. As suas conclusões preliminares sugerem a existência de energia geotérmica suficiente para alimentar a rede de abastecimento eléctrico e talvez até para vender excedentes a ilhas vizinhas.

 

Pesquisar