orelhas do mar

Muito populares na Ásia, as orelhas-do-mar são comuns nos Açores e ainda não despertam o apetite dos gastrónomos. Uma equipa testou a concentração de metais pesados nestes organismos. Fotografia: Luís Quinta. Fonte “The Azorean Edible Abalone Haliotis Tuberculata, An Alternative Heavy Metal-Free Marine Resource?”, 2020, de Paulo Torres, Armindo Rodrigues, Afonso Prestes, Ana Neto, Nuno Álvaro e Gustavo Martins.

A  questão  é  retórica. Na verdade, este gastrópode marinho já faz parte da alimentação de muitos países do Mediterrâneo, da Grã-Bretanha e da Ásia, embora, nos Açores, o Haliotis tuberculata ainda não tenha entrado nos menus mais requintados, pelo que as suas populações mantêm-se praticamente incólumes.

No entanto, a crescente demanda turística da região e a depredação das populações de espécies comerciais pode conduzir os consumidores para este recurso alternativo. Um estudo coordenado pelo biólogo Paulo Torres, do CIBIO-Açores, e vários outros colegas analisou a outra parte da equação, descobrindo que esta espécie em particular acumula preferencialmente cádmio (à semelhança do reportado para algumas espécies de outros moluscos), enquanto por exemplo, predadores de topo como os tubarões acumulam preferencialmente mercúrio.

A actividade vulcânica da região dos Açores reflecte-se em fenómenos como as fontes hidrotermais localizadas nos fundos marinhos ou mesmo junto da costa, que libertam metais pesados para o ambiente e, consequentemente, entram na cadeia trófica, sofrendo processos de biomagnificação e bioacumulação com repercussões em todos os organismos marinhos. Metais como o arsénio, o mercúrio ou o chumbo são tóxicos mesmo em baixas concentra ções, pelo que a sua monitorização é também uma questão de saúde pública. A equipa confirmou que os tecidos edíveis desta espécie acumulam níveis mais altos de cádmio, cuja origem não aparenta ser antropogénica mas sim natural, tendo em conta a natureza vulcânica do arquipélago.

O estudo, publicado na revista Chemosphere, sugere prudência na inclusão desta iguaria nos menus e um programa contínuo de monitorização.

Descubra uma nova visão do mundo!

Assine a National Geographic.

Pesquisar